35 anos
Institucional

viajar pelo Brasil

A gente sabe que viajar pelo Brasil é custoso. Pra deixar a viagem mais barata, 1) compre a passagem com milhas (e fique de olho nas promoções, quase todo fim de semana tem uma); 2) viaje em grupo (de 4 a 5 pessoas idealmente) – assim vocês podem rachar os custos do carro (próprio ou alugado), dividir passeios de bugue nas praias ou a diária do guia em destinos de ecoturismo e ainda eventualmente alugar um apê ou casa de temporada.

São Miguel do Gostoso (RN)



Além de ter o melhor nome do Brasil, a cada vez mais hype Gostoso une uma vilinha fofa (mais tranquila do que Jericoacoara, a título de comparação, mas com alguma vida noturna e restaurantes), gente do mundo todo que vai pra velejar e praticar kite e windsurfe, praias com vegetação preservada e localização estratégica pra conhecer outros destinos do litoral do Rio Grande do Norte (como as piscinas naturais de Perobas). Não precisa ir de carro (tem ônibus saindo de Natal, leva 2h15), e há pousadas com ótimo custo/benefício como a Lagoa Mar.

Quando ir: A época das chuvas na região vai de março a junho, evite. Réveillon e Carnaval bombam – se quiser ver a vilinha em sua forma normal, prefira outros períodos.

 

Mato Grosso

Destinos pra viajar em 2017: o estado oferece um mergulho profundo e singular no Brasil bastante acessível, tanto pelos preços (menores do que os do vizinho Mato Grosso do Sul) como pelas distâncias, fáceis de cumprir dirigindo. O circuito pra conhecer as melhores atrações do estado é Pantanal Norte (veja o post completo aqui), pra ver jacarés, onças e tuiuiús até cansar e admirar o nascer do sol mais lindo do país, Chapada dos Guimarães, pra ver mirantes vertiginosos do alto dos chapadões, uma cidadezinha simpática e trilhas na vegetação do cerrado, e Nobres, pra fazer flutuação no Aquário Natural. É só voar a Cuiabá e alugar um carro – os destinos ficam relativamente perto.

Quando ir: Na seca, entre julho e outubro.


Parque Estadual do Ibitipoca (MG)



 

Um refúgio de ecoturismo (a 272 km do Rio de Janeiro, 324 km de Belo Horizonte e 497 km de São Paulo) com tudo o que tem direito: uma cidade roots onde o celular quase não pega (Conceição de Ibitipoca) cheia de iguarias mineiras e barzinhos animados, hospedagens gracinha (incluindo chalés pra alugar) e trilhas fáceis e bem sinalizadas que culminam em mirantes, grutas e cachoeiras (são 3 dias pra fazer os circuitos principais da Janela do Céu, Circuito das Águas e do Pico do Pião).

Quando ir: Entre abril e setembro, quando chove menos. Em julho e agosto dois festivais lotam a vila (Ibitipoca Jazz Festival e Ibitipoca Blues) – reserve com antecedência.

 

taúnas (ES)

Destinos pra viajar em 2017: quem nunca cogitou pegar praia no Espírito Santo, repense: a 280 km de Vitória, quase na Bahia, Itaúnas é um destino pacato, alternativo e simples, forrado por dunas e ocupado por barzinhos que tocam forró e pousadas cujos donos são gente que veio de férias e não resistiu, ficou. Prainhas deliciosas como Riacho Doce e trilhas no Parque Estadual de Itaúnas completam o passeio. É daqueles lugares que fazem bem pra alma.

Quando ir: Dá pra ir o ano todo. O verão é quente e úmido, mas chove consideravelmente menos do que na costa do Rio e de São Paulo. Em julho o festival de forró enche a cidade.

 

itaunas

ilha-grande

Ilha Grande (RJ)

Pra quem mora no Sudeste, não tem desculpa pra não ir: a ilha mais bacana de Angra recebe visitantes com um território de 193 km² livre de carros e farto em Mata Atlântica e praias de água esverdeada boas pra mergulho. A chamada Vila do Abraão tem hostels, pousadas e vida noturna (frequentada por uma pequena população de gringos). Campings deixam dormir em praias desertas, e uma porção de casas pra alugar acolhe bem grupos de amigos (veja no Airbnb ou no Alugue Temporada). Chega-se a partir de Angra ou Mangaratiba + 1h30 de barco) – dá pra ir de ônibus desde São Paulo.

Quando ir: Tem um dos verões mais chuvosos do Sudeste, melhor ir no outono e na primavera.

 

Alter do Chão (PA)

Destinos pra viajar em 2017: virou point da moda pra passar o Réveillon por causa da festa Vai Tapajós. Apesar dos pacotes caros que eles vendem para o fim do ano, não precisa gastar muito pra visitar esse balneário a 38 km de Santarém (PA), cominúmeras ilhas e extensas faixas de areia branca banhadas pelas águas esverdeadas do Rio Tapajós. Além de curtir as praias, também pode-se fazer passeios de lancha pelo rio e combinar com incursões da floresta. A rota mais curta para quem sai do Sudeste ou do Sul é via Brasília, de onde a Latam voa direto a Santarém em 2h30. As hospedagens são simples.

Quando ir: As praias se formam entre agosto e janeiro.

Lençóis Maranhenses (MA)

Apesar da pouca chuva dos últimos anos estarem fazendo as lagoas durarem menos, melhoras na infra da região (terraplenagem e asfalto entre Barreirinhas e Santo Amaro e entre Barreirinhas e Paulo Neves) estão diminuindo o tempo de viagem entre os vilarejos que são base pra ver as lagoas – quando este último trecho estiver completo, será possível fazer a Rota das Emoções, que passa por Barra Grande (PI), Delta do Parnaíba e Jeri, com carro comum. Pra ter uma experiência mais intensa, contrate um guia pra fazer a travessia dos Lençóis a pé — entre Santo Amaro e Queimada dos Britos ou entre Santo Amaro e Atins. Indo em grupo e usando transportes locais pode ser um rolê barato.

lencois-maranhenses

Quando ir: Pra garantir as lagoas cheias, de junho a setembro. Ligue no ICMBio pra saber como estão as chuvas antes de reservar (98) 3349-1267.

Fonte:http://www.carpemundi.com.br/melhores-destinos-pra-viajar-em-2017