35 anos
Institucional

quedas na terceira idade

Saiba como evitar quedas na terceira idade através da análise entre as causas e as consequências

passos na escada 



As quedas na terceira idade são comuns e podem causar consequências severas para quem sofre o acidente. Nessa fase da vida, somos marcados por alterações fisiológicas constantes. Sendo assim, é necessário adotar medidas e hábitos que ajudam evitar e prevenir certas situações indesejáveis.

 

 

Para os idosos as quedas podem trazer um série de consequências negativas. Esses acidentes são considerados um dos principais eventos incapacitantes para os idosos. Mostraremos aqui como foi comprovado através de pesquisa que as quedas na terceira idade afetam não só a saúde física de quem sofre o acidente como também podem desencadear problemas psicológicos.

 

 

Mas não se assuste, as quedas podem ser prevenidas através desses passos:

 

 

Entender as causas + Estudar as consequências = Medidas de prevenção

 

 

Se você não entendeu como esses dois elementos desencadeiam a elaboração de medidas preventivas fique atento que explicaremos a você.

 

 


Principais causas das quedas na terceira idade

 

 

idoso com instrumento de auxilio para evitar quedas

 

 

O maior motivo de compreender as causas das quedas que acontecem com idosos é começar a contornar o problema pela raiz. Mesmo que para a maior parte dos idosos os acidentes aconteçam em casa, é importante reparar em como acontece com o indivíduo.

 

Seja para evitar a própria queda, ou ajudar um amigo ou parente a evitar as quedas, a observação dos acontecimentos anteriores é importante. Sendo assim, analise o que desencadeou os acidentes anteriores.

 

 

  • Onde ocorreu?

  • Como aconteceu?

  • Como foi o dia anterior à queda? Foi estressante, tranquilo, dormiu bem na noite anterior?

 

 

Conhecer os motivos que desencadeiam as quedas é saber como evitá-las.

 

 

Pense assim, a grosso modo elas podem ser comparadas à enxaqueca. A enxaqueca é algo recorrente naqueles que já apresentam o quadro. Porém, há formas de evitá-la.

 

 

Não é garantido que a pessoa que sofre com enxaqueca não sentirá a dor se evitar certos alimentos e certas práticas. Contudo, se forem tomadas medidas preventivas, as chances de ter uma crise diminuem significativamente.

 

 

Como isso é apontado nas pesquisas?

 

 

A UFPEL, realizou uma pesquisa com idosos na qual 34,8% responderam ter sofrido quedas pelo menos uma vez no ano. Desses 34%, a maioria eram mulheres. Os fatores relacionados como causas das quedas foram: a idade avançada, o sedentarismo e problemas de saúde.

 

 

Já em uma pesquisa publicada pela Revista Ciência & Saúde Coletiva, mostrou queas quedas são comuns em 37,5% dos entrevistados.

 

 

De acordo com a mesma pesquisa, pessoas com mais de 75 anos caem mais dentro de casa com menos de 75 anos caem mais fora de casa. Sendo assim indicar a um idosos que el saia menos de casa para evitar quedas é um equívoco.

 

 

A pesquisa mostrou que na maioria dos casos, o acidente acontece dentro de casa.Entre 59% e 66% das quedas, o acidente aconteceu dentro de casa. É claro que há um número significante de quedas na rua. Esses acidentes devem ser consideradas também. Porém, o fato do idoso permanecer muito tempo dentro de casa não diminui os riscos.

 

 

Em casa, os maiores problemas apontados foram o piso escorregadio, em 70% dos casos, banheiro em 66% dos casos, calçados em 64% dos casos e degraus na portaria, em 55,9% dos casos.

 

 

 

chão escorregadio e liso

Os dados levantados por essa pesquisa, foram compatíveis aos levantamentos de outra pesquisa. No artigo Avaliação do risco de quedas em idosos atendidos em Unidade Básica de Saúde publicado pela Revista da Escola de Enfermagem da USP os resultados foram parecidos. Nessa pesquisa, a carência de segurança dentro de casa foi apontado como a maior causa das quedas. Os pisos escorregadios foram descritos como causa de acidente para 42,6% dos participantes.

 

 



Consequências das quedas

 

 

corrimão de escadas

 

O segundo passo para entender a necessidade da prevenção das quedas  na terceira idade, e também para saber onde atacar o problema, é compreender as consequências das quedas.

 

 

Dizemos isso porque, depois que já sofreram alguma queda, em 88,5% dos casos o medo foi apontado como a consequência mais recorrente. Isso significa que quase todos os idosos que sofreram queda têm medo que isso ocorra novamente.

 

 

O medo fez com que 26% deles abandonassem certas atividades e 19% passassem a torna-se praticamente imóveis.

 

 

As demais consequências apontadas foram as fraturas, principalmente no fêmur.

 

 

Tanto as consequências físicas quanto as psicológicas são severas. O medo e posteriormente o abandono de atividades é algo que pode ser revertido. Mostramos no nosso infográfico Atividades para idosos como as atividades podem beneficiar a saúde física e mental da terceira idade.

 

 

Dessa forma, é necessário analisar as consequências e trabalhar em cima delas. Seja através de uma terapia ou através do incentivo à prática de atividades, tanto para combater o medo como para tratar fraturas que ocorreram anteriormente.

 

 

Sendo os fatores externos uma das principais fontes da ocorrência de quedas na terceira idade, a prática de atividades físicas ajuda a reverter esse quadro sem que seja necessário o abandono de atividades cotidianas.

 

 



Como adotar medidas de prevenção contra quedas?

 

 

delicadeza do ovo em contraste com a agressividade do martelo

 

 

 

Revista Neurociências publicou uma pesquisa que mostra a importância da atividade física na redução da chance de quedas. Nessa pesquisa foi aplicado um teste chamado TUG o qual classifica os riscos de queda entre alto, médio e baixo.

 

 

Essa publicação mostrou que a grande maioria (95%) dos idosos que praticam atividades físicas regularmente possuem baixo risco de sofrer queda. Eles foram os que realizaram o teste em menor espaço de tempo.

 

 

Aqueles que realizaram o mesmo teste mas levaram o dobro do tempo apresentaram resultados diferente. 80% deles foram classificados com alto risco de sofrer quedas. Esses participantes eram mais sedentários e não praticavam atividades regulares.

 

 

Além disso, a segurança domiciliar é um passo imprescindível para mudar o problema. É importante adquirir pisos antiderrapantes para toda a casa. Faz partedos direitos dos idosos o direito à acessibilidade.

 

 

Sendo assim, caso você more em um prédio o qual não adéqua a acessibilidade aos idosos converse com o síndico e exija esse direito. Obrigatoriamente, se há idosos no prédio, o mesmo deve ser equipado com tudo o que for necessário para promover e facilitar o deslocamento do morador.

 

 

Seja piso antiderrapante, corrimão nas escadas, rampas ou elevadores, você pode e deve solicitar medidas de segurança.

 

 

É importante tentar ao máximo cogitar o isolamento domiciliar com solução. Os direitos dos idosos estão aí para facilitar e promover o bem-estar dessa população. Além disso, atualmente existem tecnologias capazes de acompanhar os idosos mesmo fora de casa.

 

 



A tecnologia como medida preventiva contra quedas

 

 

Outra medida eficaz na prevenção das quedas é o monitoramento pessoal. 

 

 

Esse sistema é auxiliado com um aparelho de monitoramento pessoal o qual possui um sensor de queda. Sendo assim, quando o usuário sofre uma queda, um alarme de emergência é disparado na Central de Atendimento. Ao ser acionado, a Central de Atendimento entra em contato com o usuário e recorre ao socorro mais adequada para a situação.

 

Essa medida é considerada como preventiva porque ao carregar o aparelho, as chances do usuário sentir-se mais seguro aumentam potencialmente. Dessa forma, mesmo que ele sofra uma queda, sabe que terá um atendimento rápido e seguro.

 

 



A importância de avaliar os riscos

Avaliar os riscos de quedas na terceira idade é fundamental para a realização de atitudes e medidas de prevenção. O importante é tratar esses acidentes com a devida atenção que merecem e não apenas como ocorrências. Adotando medidas preventivas trabalha-se a favor da qualidade de vida dos idosos assim como a redução de gastos destinados a tratar as consequências.

 

 

 

Fonte: http://www.lifelink.com.br/quedas-na-terceira-idade/